10 figuras históricas que morreram mortes invulgares

Há milénios que somos fascinados por mortes bizarras e macabras. Os antigos gregos, por exemplo, acreditavam que o seu venerado poeta Éscyhlus pereceu depois de uma águia ter deixado cair uma tartaruga na sua cabeça.

Estes monarcas, senhores da guerra e papas perderam as suas vidas das formas mais estranhas: às picadas de macacos e aos sangramentos do nariz, à gula e ao riso.

Aqui estão 10 figuras históricas que morreram mortes invulgares:

  1. Rasputin

O místico, curandeiro e figura social russo Grigori Rasputin levou uma vida que foi quase tão incomum quanto a sua morte.

Nascido como camponês numa pequena aldeia siberiana, Rasputin tornou-se amigo íntimo do último czar russo e da sua esposa Alexandra. A família real esperava que Rasputin usasse seus supostos poderes para curar o filho deles, que sofria de hemofilia.

Ele rapidamente se tornou uma figura poderosa na corte Romanov e chegou mesmo a ser rumorado que teria um caso com a própria czarina Alexandre. Temendo a influência de Rasputin sobre a família real, um grupo de nobres e políticos de direita conspirou para matá-lo.

Primeiro envenenaram Rasputin com bolos atados com cianeto, mas estes não tiveram qualquer efeito sobre o monge. Rasputin então calmamente pediu aos nobres algum vinho Madeira (que eles também envenenaram) e beberam três copos cheios.

Quando Rasputin ainda não mostrava sinais de doença, os nobres chocados atiraram-lhe no peito com um revólver. Pensando que estava morto, aproximaram-se do seu corpo. Rasputin saltou e atacou-os, depois fugiu para um pátio do palácio. Os nobres perseguiram-no e mataram-no novamente, desta vez através da testa.

Os conspiradores envolveram o corpo de Rasputin e o jogaram em um rio, só para ter certeza de que tinham terminado o trabalho.

2. Adolf Frederick, Rei da Suécia

Adolf Frederick foi rei da Suécia de 1751 a 1771, e é geralmente lembrado como um monarca fraco, mas pacífico. As suas paixões para toda a vida incluíram fazer tabaqueiras e jantar fino.

Frederick faleceu em 12 de Fevereiro de 1771, após ter consumido uma refeição particularmente enorme. Neste jantar ele comeu lagosta, cavier, chucrute e kippers, tudo isso enquanto bebia copiosas quantidades de champanhe. Este foi complementado com catorze porções do seu deserto preferido, semla, um tipo de pão doce que ele gostava de servir com leite quente. Esta espantosa quantidade de comida era suficiente para acabar com a vida do rei, e ele continua a ser um dos poucos governantes da história a ter-se comido até à morte.

3. Capitão Edward Teach (Barba Negra)

A temível reputação de roubo e violência do Barba Negra persiste há 300 anos. Ele é famoso por formar uma aliança de piratas para bloquear o porto de Charles Town, resgatando seus habitantes.

Em 21 de Novembro de 1718, o Tenente Robert Maynard do HMS Pearl lançou um ataque surpresa contra o Barba Negra enquanto entretinha os convidados a bordo do seu navio. Após uma longa luta, Barba Negra foi cercado pelos homens de Maynard que começaram a atirar nele e a cortar-lhe com suas espadas. Barba Negra finalmente pereceu após sofrer um número extraordinário de feridos. Um exame do seu corpo mostrou que ele foi baleado cinco vezes e recebeu vinte ferimentos de espada. De forma igualmente chocante, foi descoberta uma carta no seu cadáver que mostrava que o governador da Carolina do Norte conspirava com o Barba Negra e os seus piratas.

4. Sigurd, o Poderoso

Sigurd Eysteinsson foi um Conde de Orkney no século IX. Os seus feitos durante a conquista Viking da Escócia valeram-lhe o epíteto ‘o Poderoso’. A morte única de Sigurd foi causada pelo dente de um rival decapitado.

Perto do fim do seu reinado, Sigurd enganou e matou o seu inimigo Mael Brigte, decapitando o cadáver do seu inimigo. Ele então amarrou a cabeça de Brigte na sela como um troféu.

Enquanto Sigurd cavalgava, o dente de Brigte arranhou a perna do Viking, que ficou inflamada. Pouco depois, o arranhão tornou-se uma grande infecção que matou o senhor da guerra Viking.

5. Papa Adriano IV

Nascido Nicholas Breakspear, o Papa Adrian IV é o único inglês a tornar-se papa.

Quando morreu, Adrian estava envolvido numa luta diplomática com o Santo Imperador Romano, Frederico I. Pouco antes de o Imperador poder ser excomungado, Adrian pereceu enquanto se engasgava com uma mosca que flutuava no seu copo de vinho.

6. Átila, O Huno

Átila, o Huno, construiu um vasto império para o seu povo através da Eurásia, e quase pôs de joelhos tanto o Império Romano ocidental como o oriental. Apesar de seu sucesso como senhor da guerra, Átila foi morto por uma hemorragia nasal.

Em 453, Átila realizou uma festa para celebrar seu último casamento com uma menina chamada Ildico. Ele tinha casado com inúmeras outras esposas, mas Ildico era conhecido por sua grande beleza. Ele bebeu copiosas quantidades de vinho na festa, e quando desmaiou de costas na cama, sofreu uma hemorragia nasal pesada.

Átila não conseguia acordar devido ao seu estupor bêbado, e o sangue corria pela sua garganta e o sufocava até a morte.

7. Martin de Aragão

Martin de Aragão foi Rei de Aragão desde 1396 até a sua morte em circunstâncias estranhas em 1410. Várias razões para sua morte foram registradas: uma fonte afirma que ele sucumbiu à peste, outras que ele morreu de insuficiência renal ou mesmo de veneno. Outro relato famoso relata como Martin morreu de indigestão e risos. Uma noite, o rei sofria de grave indigestão (depois de comer um ganso inteiro) quando seu bobo da corte entrou na sala.

Martin perguntou a Borra, o bobo, onde tinha estado, e respondeu com uma piada sobre um veado que ele tinha visto na vinha. Ao ouvir a piada, o rei doente morreu de riso.

8. Rei Eduardo II

Infame pela sua alegada relação homossexual com Piers Gaveston, Edward II foi forçado a abdicar e foi preso em 1327. A morte de Edward foi rodeada de rumores. No entanto, um relato comum que circulou entre os cronistas contemporâneos foi imortalizado pelo dramaturgo inglês Christopher Marlowe.

Esta história relata como Edward foi preso no chão pelos seus assassinos e um póquer em chamas inserido no seu ânus.

9. Rei Alexandre I

 Alexandre foi rei da Grécia de 1917 a 1920. Ele causou polêmica durante sua vida por sua decisão de se casar com uma plebeia, uma mulher grega chamada Aspasia Manos.

Enquanto caminhava pelos terrenos do seu palácio, Alexandre tentou impedir o seu pastor alemão de atacar o macaco de estimação do seu mordomo, um macaco da Barbária. Enquanto fazia isso, Alexandre foi atacado por outro macaco que o mordeu na perna e no tronco. Suas feridas foram limpas e vestidas, mas não cauterizadas, e Alexandre pediu que o incidente não fosse divulgado. A mordida do macaco logo ficou gravemente infectada e Alexandre morreu cinco dias depois.

10. Mary, Rainha dos Escoceses

Mary, Rainha dos Escoceses foi condenada à morte depois de uma carta ter revelado uma conspiração para assassinar a sua prima, a Rainha Isabel I

Em 8 de fevereiro de 1587 Mary foi levada ao bloco de execução para ser decapitada por um homem chamado Bull e seu assistente. O primeiro golpe de Bull falhou completamente o pescoço de Mary e atingiu a parte de trás da cabeça dela. O segundo golpe não fez muito melhor, e a cabeça de Mary permaneceu presa ao seu corpo por um pouco de tendão.

No final, Bull usou um machado para ver a cabeça de Mary de seus ombros e a segurou no alto dos cabelos, com os lábios ainda se movendo. Infelizmente, o cabelo de Mary era na verdade uma peruca, e sua cabeça caiu ao chão. Para aumentar a estranheza da execução, o cão de Mary escolheu este momento para sair por baixo das saias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

RECEBA NOSSAS OFERTAS E NOVIDADES EXCLUSIVAS


CONTACTO